Um pesquisador associado do Council on Hemispheric Affairs afirma que o governo brasileiro tem planos de usar a rede Ethereum para combater os problemas de seu sistema eleitoral.

O audacioso projeto indica que a rede ainda seria usada para a realização de consultas populares que permitiriam aos mais de 145 milhões de eleitores chegar a um consenso sobre importantes decisões políticas, segundo o artigo de Gabriel Barbosa publicado no site da entidade.

A questão da ineficiência das autoridades em relação ao sistema eleitoral nacional é discutida há décadas por especialistas políticos e analistas questionam o problema da logística das petições populares a descrevendo como a base para a maioria das questões políticas do país.

Mudança para o Ethereum

Como a reportagem de Joon Ian Wong, da Quartz, os legisladores brasileiros estão verificando como utilizar as funcionalidades da rede Ethereum e seu blockchain para processar e armazenar os votos eleitorais, como parte de uma iniciativa maior para melhorar sistema político do Brasil, descrito como desastroso pelo The Economist. A proposta é liderada pelo professor universitário Everton Fraga e pelo conselheiro legislativo do Congresso Ricardo Fernandes Paixão.

O principal ponto que conta a favor da novidade é a possibilidade das petições e votos eleitorais serem criptografados como se faz com as transações para garantir que o dado específico permaneça inalterável e invulnerável à manipulação.

Processar assinaturas das petições na rede Ethereum exigirá Smart Contracts (protocolo de computador autoexecutável). Dessa forma, o sistema eleitoral funcionaria como uma aplicação descentralizada própria com um token digital independente usado para computar os votos no blockchain.

Atualmente o sistema eleitoral brasileiro exige que qualquer consulta popular seja ouvida pelo Congresso Nacional. Entretanto devido à falta de um órgão e uma plataforma que administre os votos, o grupo que organiza um plebiscito, por exemplo, precisa encontrar um legislador que queira adotá-la para que ela seja colocada em pauta. Essa obrigatoriedade acaba diminuindo as chances de alguma medida de apoio popular seguir adiante e virar lei.

O governo planeja criar um aplicativo de celular para colocar a ideia em prática o quanto antes. Para Fraga, integrar o sistema eleitoral a plataforma Ethereum seria uma celebração da democracia. Porém como a proposta precisa da aprovação do Congresso para ganhar corpo é melhor não se animar, afinal não temos garantias de que isso se tornará realidade em um futuro próximo.

Governo brasileiro quer utilizar Ethereum para modernizar sistema eleitoral
5 (2 votos)