Como NÃO explicar Bitcoins!

 

Na última quinta-feira, no programa Jornal da CBN, foi entrevistado um jornalista do Globo para falar sobre Bitcoins. A conversa ocorreu por causa da repercussão do reconhecimento legal da moeda digital na Alemanha. O resultado pode ser ouvido aqui.

O Jornal da CBN é sem dúvida um dos melhores jornalísticos do rádio brasileiro, e Milton Jung um grande apresentador. Mas a explicação dada pelo convidado na entrevista foi desastrosa.

Ouvi a reportagem e anotei alguns pontos em que os erros são evidentes. Seria bom que todos que apoiamos a tecnologia do bitcoins tomássemos essa entrevista como exemplo e não levasse os erros adiante.

O jornalista erra:

– Ao dizer que é possível comprar bitcoins com cartões de crédito

Isso nunca acontece. Compras bitcoins, com moedas como real, dólar, etc, só acontecem em dinheiro ou depósitos bancários. A razão disso é que transações com bitcoins nunca podem ser desfeitas, já as com cartão sim. Então pode ocorrer uma fraude em que o comprador faz a compra, recebe os bitcoins e solicita o cancelamento da compra.

– Ao dizer que há muitos riscos pela tecnologia ser nova e que o número de bitcoins poder explodir

A tecnologia dos bitcoins existe há 4 anos e só ganha aceitação, tendo sido posta à prova todos os dias.

Quanto ao risco de explodir, ele se engana; o código do bitcoin é aberto e alguns dos maiores especialistas de computação e hackers do mundo tentam procurar defeitos nele desde sua criação. Nunca um erro foi encontrado. Na verdade os códigos do programa não são tão complicados. Ele junta várias soluções que já existiam e se baseia nas teorias de criptografia. Se algo acontecer com a teoria de criptografia, toda a informação do mundo estará em risco.

– Quando diz que pela moeda transitam milhões de dólares

Na verdade o valor total de bitcoins no mundo é de 1.5 bilhão de dólares.

– Ao dar grande destaque ao comércio ilegal feito com bitcoins

É verdade que isso acontece. Da mesma forma em que quase a totalidade do comércio ilegal do mundo acontece usando dólar, euro,real, rúpias ou qualquer outra moeda. Culpar um meio de pagamentos pelo crime é injusto.

Repito aqui um parágrafo da excelente matéria feita pelo Valor Econômico (leitura obrigatória para entender bitcoins.)

“As redes internacionais estão infestadas de hackers e crackers e, assim como no mercado futuro de deriravitos ou na área de saúde hospitalar, há ‘lixo tóxico’ no sistema”, explica o professor Gilson Schwartz, da Escola de Comunicação e Artes da USP. Em sua opinião, governos deveriam combater os crimes sem combater o bitcoin, cujo caráter libertário elogia.

– Ao responder se um usuário comum pode criar bitcoins em seu computador, ele disse que não

Ele está completamente errado. O bitcoin é uma moeda p2p. Quem mantém a rede é justamente uma rede de computadores. Quem disponibiliza computadores para controlar esta rede é remunerado com novos bitcoins, proporcionais à capacidade de processamento disponibilizada. Isso pode ser feito por qualquer pessoa.

Já é difundido que hoje essa atividade não é lucrativa na maioria dos casos, pois gasta mais energia do que gera bitcoins. Mas isso não significa que a tarefa não seja possível. A busca por novas moedas, conhecida como mineração, faz parte da essência do bitcoin.

– Quando falou que foram soltos bitcoins no mundo, pelo programador da primeira versão do software (Satoshi Nakamoto)

Novamente há um erro. Desde o início, novos bitcoins são criados, e não encontrados, no processo chamado de mineração. Em poucas palavras a mineração é o processo de disponibilizar recursos (tempo, computação, energia elétrica) para a rede p2p dos bitcoins a fim de mantê-la funcionando. Os mineradores são pagos com novos bitcoins e pequenas taxas pagas por quem inicia uma transação.

– Quando disse que ninguém sabe da qualidade do programa

Todos que quiseram saber, sabem. Eu já olhei o código, assim como milhares de programadores no mundo. Este programa é mantido da mesma forma que o Linux, onde roda grande parte da infraestrutura de softwares do mundo. De acordo com várias pesquisas, o open source é a melhor forma de desenvolvimento de software.

– Quanto às lojas que aceitam bitcoins ele faz que parecer que são poucas

São mais de 5 mil lojas nos EUA, em Berlim já há um bairro todo em que boa parte da economia gira em bitcoins. Em São Paulo há um bom movimento começando – esse vai para outro post : ). Sites como Amazon (na parte de terceirização de lojas), Reddit, WordPress, OKCupid e Wikileaks estão nesta categoria.

– Ao dizer que o governo americano caracteriza o bitcoin como uma moeda para comércio ilegal

Em 18 de Março, o governo americano deu as diretrizes para o uso e regulação do bitcoin pelos Estados. Isso foi feito por meio deste documento público pelo órgão financeiro, equivalente ao nosso tesouro, chamado de FICEN.

Recentemente houve um encontro da Bitcoin Foundation com cerca de 10 órgão reguladores americanos, e o resultado foi que as regras emitidas em Março continuam valendo e que haverá cooperação para que uma legislação mais clara seja criada. Mas esta o jornalista não tinha como saber, pois a reunião aconteceu depois de sua entrevista.

Vamos cruzar os dedos e torcer para que exemplos como esse sejam minoria.

Comentem…

Abraços.

 

Rodrigo Batista – CEO Mercado Bitcoin

12 thoughts on “Como NÃO explicar Bitcoins!

  1. O jornalista só provou que não sabe nada de bitcoins, nem de software livre, nem de economia, nem está familiarizado com as legislações e acordos sobre moeda corrente, nem sobre como funciona a moeda corrente, nem como funciona o bitcoin, enfim, não sabe nada de nada e acha que pode sair por aí dizendo qualquer asneira porque é um “formador de opinião”.

  2. Eduardo says:

    Excelente comentário. Sugiro apenas corrigir o erro de português na parte “em São Paulo a um bom movimento” (mudar o “a” para “há”), de modo a agregar ainda mais credibilidade a tudo relacionado ao bitcoin.
    Parabéns pelo texto!

  3. Chatô says:

    O entrevistado conseguiu a façanha de responder erradamente 80% das questões.

    E ao final da entrevista:

    – Você já fez alguma negociação em Bitcoin?

    – Não, não.

    É como se chamassem um cara nos primórdios da internet para falar de e-mail e o indivíduo nunca tivesse mandado um. Pffff!

    Faltou o mínimo nessa entrevista, espero que na próxima o entrevistado corra atrás de mais informações e pelo menos uma experiência com a moeda.

  4. l0k0 says:

    kKKKkkkkkkKKKKK
    Isso é lombra mesmo! BITCOIN é a moeda do futuro!!! vai dominar o mundo em pouco tempo!!! O RESTO É BARUI E CONVERSINHAS DE PESSOAS DESINFORMADAS OU PAGAS PELO “SISTEMA”! HAUEHUAEHAEUHAEUHE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *