Ontem foi realizado o lançamento da Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto), no bar Brewdog, em Pinheiros. Na foto estão, da esquerda para a direita: Luiz Calado, presidente da ABCripto, Fernando Ulrich, apoiador da entidade, Natalia Garcia, vice-presidente, Stephen Kanitz, economista e Carl Amorim, supertintendente.

A associação nasce com o objetivo de reunir os principais participantes do cenário de criptoativos brasileiro para a interlocução com o poder público, bem como executar ações em prol do de se beneficiar do desenvolvimento tecnológico e da inovação. A união dos principais especialistas e a união entre as empresas do setor é fundamental para o avanço sustentável de um setor que está evoluindo rapidamente. Um dos principais pilares desse avanço é a autorregulação, que é um dos pilares dessa nova Associação. 

Além disso, a associação trabalha pela promoção da boa governança no setor, seguindo as melhores práticas do Brasil e do mundo. A inovação também faz parte do DNA da associação. O blockchain pode ser aplicado às mais diversas indústrias e serviços, que vão desde meios de pagamento até projetos de logística. É missão da ABCripto ajudar as startups e as grandes empresas nesse novo campo.

Para Luiz Calado, presidente da ABCripto, “a associação nasceu como uma aceleradora da criptoeconomia no Brasil, e quer ser a referência em autorregulação no setor, além de servir de ponte entre os empreendedores, os especialistas no assunto e o setor público“.

“A Abcripto nasce muito mais com viés de proteger interesses do mercado em vez de lutar por interesses individuais. Pensamos no ecossistema”, diz Natália Garcia. “Temos como objetivo estreitar laços com reguladores, como o Congresso e a CVM, e os informar da melhor forma possível”.

Carl Amorim reforçou a mensagem de inclusão da ABCripto. “A associação está aberta a todos, todos são bem vindos. A diretoria apenas garante que as decisões descentralizadas serão executadas e levadas adiante, mas o processo de trabalho é descentralizado”. 

A ABCripto também já está na grande mídia. A Época Negócios destacou a importância da criação de uma entidade como a ABCripto, em uma reportagem amplamente acessada.

Membros e funcionamento da ABCripto

A associação nasce com 18 empresas de diverso segmentos, desde plataformas de negociação até meios de mídia. Esses participantes se dividiram em diversos grupos de trabalho, cada um com um foco. Podemos citar, entre eles:

  1. GT Autorregulação de Fundos de Criptoativos: com o crescimento do valor dos criptoativos vemos o surgimento de fundos de investimento que cada vez mais lidam com essa nova categoria. A adoção de padrões mínimos de segurança e de divulgação de performance é necessária para o desenvolvimento da indústria.
  2. GT Certificação Profissional: A ABCripto quer estabelecer padrões de qualificação profissional para o trabalho em criptoativos, que cresce exponencialmente no Brasil
  3. GT Índice: A criação de um índice único para o preço do bitcoin no Brasil é necessária para a profissionalização dos cálculos de retorno, e desenvolvimento do mercado de balcão.

A ABCripto tem como um de seus pilares a inclusão. A associação para entusiastas individuais é gratuita e livre. Qualquer um pode entrar e criar um grupo de trabalho, ou participar de um. Para empresas, existem vários planos e possibilidades, dependendo o do estágio de desenvolvimento de cada uma.

Para se associar, basta preencher o formulário nessa página.