Ativos fungíveis são aqueles que podem ser trocados sem diferenciação entre si. Um saco de feijão, por exemplo, é exatamente igual a outro, via de regra. As moedas do mundo têm essa característica. Uma nota de R$50,00 é exatamente igual à outra – não importa se as notas na sua carteira já foram roubadas de um banco, ou se ela já foi usada em casos de corrupção (desde que você não esteja envolvido). Nesse artigo vamos discutir a fungibilidade do Bitcoin, e mostrar que ele não possui essas propriedades, ao contrário do que muitos acreditam.

Ou seja, algo é fungível quando pode ser trocado por outras unidades equivalentes daquele bem. Você pode trocar uma nota de R$50,00 por outra, ou por duas de R$20,00 e uma de R$10,00. Assim como você pode trocar um lingote de 1kg de ouro por dois de 500g – não faz diferença.

Todo dinheiro deve ser assim, se não seria impossível usá-lo. Imagine que toda vez que você recebe uma nota tivesse que verificar se aquele número de série pertence a um grupo de notas associada ao tráfico de drogas. Ou checar se ela foi roubada de um banco. Imagine também que essas notas “sujas” valessem menos. Uma nota de R$10,00 que tivesse sido usada de forma criminosa poderia valer apenas R$9,70.

Seria o caos, mas no caso do Bitcoin é exatamente isso que acontece. Cada unidade do Bitcoin pode parecer igual à outra. Afinal, unidades individuais de bitcoin possuem o mesmo tamanho sempre. 1 BTC teoricamente tem o mesmo valor que outra unidade equivalente a 1 BTC. Mas bitcoins deixam uma marca no blockchain, um rastro. É possível ver por onde cada unidade de bitcoin já passou, muito mais claramente do que por onde cada nota de real já passou.

Por isso, os chamados “bitcoins limpos” são um pouco mais valiosos do que os outros, já que na prática cada unidade de bitcoin sujo vale menos do que os outros. Bitcoins limpos são aqueles que não permitem a associação deles àquele endereço de forma direta. Em serviços de “mistura” de bitcoins, as criptomoedas dos usuários são misturadas entre si, e fica bem mais difícil rastrear o histórico do Bitcoin. Usar essas serviços é uma das formas que hackers “limpam” os bitcoins que roubaram.

Para que o Bitcoin seja usado como um meio de pagamento global, ele deve ser completamente fungível. Imagine descobrir que seu Bitcoin não foi aceito por que uma companhia descobriu que algumas transações atrás ele foi associado a um ataque hacker. Isso já uma realidade. Companhias como XAPO, Coinbase e Bitstamp não aceitam depósitos de bitcoins suspeitos.

Criptomoedas podem ser usadas para o crime? Sim, não há como negar isso. Contudo, o dólar ainda é a moeda mais associada à lavagem de dinheiro, financiamento ao terrorismo e tráfico de armas. Países no mundo estão cada vez mais limitando a emissão de notas de alto valor, pelo seu potencial facilitador de crimes. O Banco Central Europeu não imprime notas de 500 euros desde 2016. Não devemos atribuir valor menor a um bitcoin que foi usado de forma criminosa, assim como não devemos punir uma pessoa que detém uma nota de real usada para fins ilícitos.

Felizmente existem algumas soluções para tornar o Bitcoin cada vez mais fungível. Conforme mais e mais transações são realizadas do blockchain, com a Lightining Network, por exemplo, menos os usuários terão que se preocupar com a origem de seus bitcoins.

O que é a fungibilidade do Bitcoin?
5 (1 voto)