O que você precisa saber sobre o Litecoin

 

this-is-litecoin-the-silver-to-bitcoins-gold

As últimas semanas foram agitadas para os interessados em moedas alternativas, principalmente por conta de uma alta recorde do valor do Bitcoin (BTC), que pela primeira vez ultrapassou o valor de US$ 1000 por moeda, mas também por uma valorização galopante de outra forma de dinheiro criptográfico, o menos conhecido Litecoin (LTC). Ainda ignorado pelo grande público, o Litecoin vem mostrando bastante potencial para se estabelecer como alternativa ou complemento ao Bitcoin, já que seu sistema se mostra confiável e, de acordo com especialistas, traria até algumas soluções técnicas para problemas enfrentados pela comunidade do BTC.

Ao contrário do Bitcoin, que nasceu de pai ainda anônimo, conhecido apenas pelo pseudônimo Satoshi Nakamoto, o Litecoin tem criador com rosto e biografia. Formado pelo MIT, Charles Lee é um engenheiro de software que já trabalhou para o Google e inclusive ajudou a escrever o código que suporta o sistema operacional da gigante das buscas, o Chrome OS. Como projeto complementar ao seu trabalho diário, ele decidiu reescrever o Bitcoin, buscando corrigir algumas das falhas que via no desenvolvimento da moeda criptográfica. Em uma incursão anterior na arena das moedas alternativas, Lee tentou lançar a moeda Fairbrix, que fracassou justamente por conta de instabilidades técnicas. Em outubro de 2011, ele liberou uma cria mais aperfeiçoada, que viria a ser conhecida como Litecoin e seria futuramente simbolizada pela prata, em oposição ao ouro no qual o Bitcoin se inspira. A ideia é justamente essa, ser a prata para o ouro do Bitcoin – ou seja, uma opção mais leve e abundante.

Inserido em um universo em que circulam dezenas de outros projetos incipientes de moedas alternativas, que Lee chama simplesmente de “fraudes”, o Litecoin foi aos poucos buscando o seu espaço. Com o tempo, o LTC foi ganhando a sua própria comunidade de mineradores e interessados, a maioria derivados da própria comunidade do Bitcoin, e com isso conseguiu se estabelecer como a segunda moeda mais importante do setor. Os valores ainda não se comparam com o BTC, mas o seu crescimento está se dando de forma mais rápida do que se deu com o Bitcoin nos seus primeiros dias. Na madrugada do último dia 28/11, a economia do Litecoin ultrapassou a marca de US$ 1 bilhão. Em janeiro, uma moeda do Litecoin poderia ser adquirida por irrisórios 0,07 centavos de dólar, enquanto agora, ao final de novembro, o valor ultrapassa os US$ 40 no momento em que escrevo o artigo.

As semelhanças entre BTC e LTC são amplamente maiores do que as diferenças, mas é possível afirmar que existe um contraste técnico relevante entre elas, que inclusive ajuda a entender a recente popularidade do LTC. O Litecoin é uma alteração do projeto original do Bitcoin e foi desenhado para liberar quatro vezes mais moedas do que o dinheiro criptográfico que o antecedeu, em um esforço para evitar que a moeda se torne excessivamente escarça e cara com o passar do tempo. As transações também são processadas com mais facilidade e a mineração é mais ‘inclusiva’, permitindo que máquinas regulares possam competir em mais equanimidade com as chamadas ‘perfuradoras digitais’. Adotando uma tecnologia chamada Scrypt, o Litecoin busca nivelar os mineradores e diminuir a vantagem daqueles que usam máquinas superpotentes e desenhadas para competir pelas moedas.

Mas, se o crescimento do Bitcoin parece estar levando o Litecoin na esteira, o fato é que existem outros motivos para isso além dos meramente técnicos. Com o valor do BTC já passando a barreira dos US$ 1000, a mais famosa moeda criptográfica já passa a ser menos acessível a um usuário mainstream, e a sua mineração há tempos já se tornou área de especialistas e palco de supermáquinas. Com preços ainda razoavelmente baixos e com uma comunidade ainda em formação, o LTC apresenta uma história crível e se mostra uma alternativa viável e de alto potencial de disseminação, e por isso vem atraindo um público cada vez maior.

Uma parte considerável dos mais importantes câmbios de BTC do mundo já troca também LTC, restando a entrada de algumas empresas importantes, notoriamente o Mt.Gox, que em breve também deve entrar no barco. Lee deixou o Google e vem trabalhando em soluções para a startup Coinbase e dedicando quase todo o seu tempo à disseminação do LTC.  Apesar disso, não podemos ignorar que ainda existem grandes desafios para uma valorização ainda maior do LTC. Um dos principais é o baixíssimo número de estabelecimentos comerciais, físicos e digitais, que aceitam o LTC como moeda de troca. Outro é a necessidade de uma maior confiança no LTC como uma moeda que veio para ficar e que tem uma razoável estabilidade, patamar que o Bitcoin já parece ter atingido. Nesse segundo aspecto, o núcleo central do Litecoin já se organiza para pôr de pé uma fundação nos moldes da Bitcoin Foundation, responsável por padronizar e passar uma imagem de legalidade e confiança ao BTC e aos negócios ligados a ele.

Para um futuro próximo, Lee acredita que o Litecoin deve prosperar em união, e não em oposição, ao Bitcoin. Em entrevista ao Coindesk, ele afirma que “o LTC está cerca de dois anos atrás do BTC em termos de adoção, então o mais interessante é olhar para frente”. “Se não estragarmos tudo, o Litecoin seguirá os passos do Bitcoin. Haverá mais adoção de comerciantes, e com isso nos tornaremos menos especulativos e mais úteis”, diz. Ele também comenta um cenário em que o Bitcoin possa ser usado para compras mais caras e o Litecoin ocupe o espaço das microtransações. Interessante, não?

E você, caro leitor, já investe no Litecoin ou pensa em adquirir as suas primeiras moedas? Compartilhe a sua experiência e opinião nos comentários.

Thoreau

41 thoughts on “O que você precisa saber sobre o Litecoin

  1. Heitor says:

    Apostei todas as minhas moedas bitcoin em litecoin e me dei muito bem, os graficos estão mostrando maior aumento do litecoin em relação ao bitcoin. Estou com muitas expectativas com o litecoin.

  2. Eu já instalei o Litecoin no meu computador e ele já sincronizou com a rede demorou uma tarde inteira, porem alguém poderia me dizer quando ele vai começar a minerar os Litecoins.

  3. Guilherme Passos says:

    Há muito tempo abandonei a mineração de BTC, já que hoje em dia estou sem placa vídeo, o que torna essa operação impossível. O LTC se mostra como algo incrivelmente viável, tanto que estou minerando solo, com um notebook de processador Intel Core i5 e deixo ele minerando enquanto está ligado. Mesmo sem usar todo o poder de processamento e deixando ele ligado por volta de 12 horas por dia, consegui 0,4 LTC em 35 dias, coisa que seria impossível com o BTC.
    Além disso, o câmbio do LTC está se tornando muito mais atrativo que o BTC, mesmo com essa queda que aconteceu nos últimos dias, pelo menos por enquanto.
    Estou muito otimista quanto essa moeda e sou um minerador de “prata” com orgulho!
    Excelente artigo.

    • Norberto Gomes Vieira says:

      Olá!
      Fiquei curioso com sua estratégia e resolvi fazer umas contas baseadas em consumo de energia de um computador comum para calcular o custo dessa sua manobra e descobri que você gastou em média R$22,68, ou seja, líquido você teve cerca de R$2,00 em 35 dias.
      Estou começando a ler sobre o assunto hoje, inclusive esse é o primeiro site com boas informações e colaborações, mas as contas me deixaram assustado.
      Esse “garimpo” é parte do rendimento obtido pela variação ou os dois são a mesma coisa?

  4. Marcelo says:

    Olá, sou iniciante e aliás e pretendo o mais breve, ser um negociador de Litecoin. Pois acredito nas inovações e elas tendem a serem melhores, por trabalharem ou melhorar dizendo observar as “falhas” de seus antecessores. E ai esta o grande segredo, ter um solidez nessas ideias novas. Diante disso, concordo com o final que a diferença vai marcar que tipo de objetivo cada uma pretende alcançar, porque mercado tem pra todos. Mas o importante é focar em algo que a outra não focou, porque a briga será “grande” em um certo momento, que irão encontrar-se lado a lado.
    Sugiro que invistam em marketing, pois só vim a saber disso com um primo que não sai de frente do computador, há um certo exagero ai, mas o tempo que cada um se dispõe na frente de uma máquina, tenho por mim que ainda é uma pequena parcela da população. E a subida do negócio esta em fazer conhecer o produto.
    Obs: Estou com uma dificuldade, em comprar. Não consigo fazer a transação. Já me cadastrei, mas minha conta bancária, não consigo fazê-lo.

  5. Daniel Machado says:
  6. luciano says:

    Ola gostaria que vocês ajudassem a divulgar minha torneira Bitcoin http://www.bitmoeda.tk talvez a unica torneira bitcoin do brasil por isso conto com a sua ajuda para divulgar, por enquanto o valor das doações da torneira sera de 0.00000001 é muito pouco por isso conto com a ajuda de seu site para atrair investidores.

    não trate isso com spam por favor todos precisam de ajuda para crescer.

  7. Henrique Silva says:

    Eu vejo na evolução destes conceitos uma possibilidade real de futuro no qual as duas moedas sejam amplamente utilizadas, mas será que elas não ficaram presas aos mesmos modelos de especulação e acúmulo de hoje com as moedas físicas?

    Será que alguém pode ajudar com uma explicação sobre isso?

  8. Litecoin valoriza quase 400% em 3 dias e fecha a $48.
    Não é só o preço do Bitcoin que vai para o topo das nuvens. Esta semana, o preço de uma outra criptomoeda, o Litecoin, também disparou. Nos últimos três dias, o preço da litecoin aumentou 395%, e foi de $9.7 em 25 de Novembro para $48 dólares às 12:00 GMT de ontem, de acordo com dc-charts.com, que se baseia em dados da exchange BTC-e.

    http://bestbitcoin.com.br/litecoin-valoriza-quase-400-em-3-dias-e-fecha-48/

  9. Ailton Marques says:

    Perdoem-me, mas ainda não entendi o que é e como funciona o BitCoin – nem ou LiteCoin.
    1- o que a pessoa tem de fazer para acumular essas moedas?
    2- qual a contrapartida que temos de oferecer para acumulá-la?
    3- por quê é necessário uma boa configuração de hardware? E tem que ser placa de vídeo ATI!!??
    4- sendo assim, posso concluir que servidores parrudos das grandes empresas terão chances muito maiores de acumularem moedas do que nós, pobres mortais?
    5- qual o site oficial no Brasil? Como saber se não estamos nos filiando a sites experimentais ou não confiáveis? É pelo site oficial que devemos entrar no mundo das moedas virtuais?
    6- quem (ou o que) garante que isso não se torne (ou já seja) uma rede de especulação, como uma pirâmide?
    7- onde podemos obter o básico sobre BitCoins ou LiteCoins?
    8- Poderiam simular, com exemplos, o cotidiano (normal e ideal) de um acumulador de moeda virtual?

    Grato,

    Ailton

  10. Xuou Ismil says:

    Seria bom que o site fizesse um passo-a-passo para as pessoas interessadas, porém leigas no assunto (eu)! Como obter, como garimpar, como trocar, etc.
    Façam um tutorial através de captura de tela e disponibilizem aqui e no youtube…o acesso será enorme!

  11. alexandre says:

    estou tentando configurar o cpuminer e aponta-lo para a picina pool-x. porem não sei como introduzir as informaçoes do slave para que possa fazer a mineração. alguem pode me ajudar na configuração. qual o arquivo que devo modificar com as informações de parametro?

  12. Richard Antunes says:

    Ola pessoal .Eu adquiri Bitcoin hoje , por um processo que me custou umas 8 horas do dia para entender todo o processo .Mas o que ficou foi que isso tudo é fantástico !De inicio investi cinquenta reais para entender todo o processo , mas ja estou providenciando a compra do LTC .

  13. Felipe says:

    Mercado Bitcoin te pergunto

    Vai chegar uma nova moeda? ou vai ser so Litecoin e Bitcoin,
    porque ambas as moedas são caras e meu interesse é uma moeda barata mas que possa se valorizar,

    no aguardo,

    Felipe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *