A Securities and Exchange Commission (SEC), órgão fiscalizador de títulos e valores mobiliários dos Estados Unidos vêm dando dor de cabeça aos investidores de criptomoedas. Após recusar liberação de ETF de Bitcoin, algo altamente esperado pelos analistas e investidores, agora suspende negociação de dois produtos ligados ao Bitcoin e ao Ethereum.

Os ativos Bitcoin Tracker One e Ether Tracker One receberam um aviso de suspensão por conta de confusões sobre a natureza dos produtos financeiros.

“Parece à Securities and Exchange Commission (SEC) que existe uma falta de informações atuais, consistentes e precisas sobre o Bitcoin Tracker e Ether Tracker One”, anunciou a SEC por meio de comunicado.

Segundo o órgão, os sites de negociação classificavam os produtos como ETF’s, fundos negociados em bolsa, quando na verdade são ativos não vinculados a ações, causando assim uma confusão os investidores. Esse erro acarretou em uma interrupção na negociação dos ativos até 20 de Setembro.

“Por exemplo, os materiais do aplicativo do corretor foram enviados para ativar a oferta e venda desses produtos financeiros nos Estados Unidos, bem como certos sites comerciais, caracterizá-los como ‘Exchange Traded Funds’. A Comissão é da opinião de que o interesse público e a proteção dos investidores exigem uma suspensão da negociação dos valores mobiliários da empresa acima citada”, finalizou o órgão no seu comunicado.

Ambos os ativos fazem parte de uma bolsa de valores americana ligada aos países nórdicos e prometem algo semelhante que os ETF’s oferecem: desempenho semelhante ao Bitcoin e ao Ethereum.

O canal de notícias norte-americano CNBC entrou em contato com a firma de investimentos CoinShares, responsável pelos ativos, mas eles não quiseram comentar o assunto.

Na época do lançamento dos produtos o diretor executivo da CoinShares, Ryan Radloff afirmou que “Todo mundo que está investindo em dólares agora pode ficar exposto a esses produtos, enquanto antes eles só estavam disponíveis em euros ou na coroa sueca”.

Conheça o Mercado Bitcoin, maior corretora de criptomoedas da América Latina